Mundo do estudante

Afinal, o que é saúde mental? E como cuidar da minha saúde?

Afinal, o que é saude mental

A mais de um ano de existência, a Pajé produz textos e materiais relativos a saúde mental, a partir de analogias a personagens ou sobre enfrentamentos rotineiros do estudante. Porém, nunca falamos diretamente sobre o que é saúde mental.

A campanha do janeiro branco nos motiva para tocar no assunto, explicando, inclusive, como ser um estudante com uma saúde mental em dia. Já avisamos de antemão, que muito se aborda sobre a doença, e pouco sobre saúde.

O que é não é saúde mental!

Existe um certo hábito de tratar saúde mental como oposto a doença mental, ou de utilizar estatísticas para validar um ponto sobre o tema. Estas argumentações, apesar de ser importante, diz respeito ao tema de prevenção a doenças, e não de promoção a saúde.

Se falar sobre depressão, ansiedade, é necessário, mas são ações relativas à prevenção. A ausência destas doenças não promove necessariamente a uma pessoa que ela esteja com um pleno equilíbrio emocional em sua vida.

E é possível exemplificar o caso acima. Uma pessoa pode ter pleno equilíbrio de suas emoções, decisões, aceitar bem a vida como ela é, e desenvolver uma depressão, uma vez que ela surge por fatores também genéticos, fisiológicos, e até por efeito colateral de outros medicamentos.

Assim como, é comum que uma pessoa esteja livre destas efermidades psíquicas, e tenha sua vida pessoal, profissional, amorosa em desarmonia, por não saber ainda sim, expressar suas emoções, ser assertivo e até mesmo, aceitar que os outros não vão sempre lhe agradar.

Conversarmos sobre as doenças, tem um caráter de prevenção, de evitar, ou seja, de eliminação de sintoma. Falar sobre saúde mental, em sua essência, é falar sobre nossas atitudes, nossa forma de sentir, de pensar e também sobre como lidamos com nossas frustrações.

Agora sim, saúde mental

O conceito de saúde mental tem mais de uma interpretação, mas uma boa forma de enxergá-la, diz respeito a nossa capacidade de nos auto conhecer, passar por situações estressoras (que são inerentes ao nosso cotidiano) e se recuperar deles. Outra definição famosa é a colocada por Freud, que ter saúde mental, é estar com suas capacidades de amar e trabalhar em harmonia.

E dentro disso, podemos dizer que ter saúde mental é estar bem consigo mesmo e com os outros, aceitar os desafios da vida (principalmente de que o mundo não será sempre justo), saber lidar com as boas e más emoções, utilizando-as da melhor forma dentro de cada contexto e também reconhecer os próprios limites.

Ao reconhecer suas próprias limitações, nos deparamos também com os limites do outro. Assim como você não é perfeito, o outro também não. E por esses motivos, ele também é capaz de te desagradar, não tomar a melhor decisão e também de se magoar com ações suas.

O equilíbrio mental está na capacidade de desenvolver a empatia, mas também de defender os seus diretos. Chamamos esse comportamento de assertividade. Buscar a assertividade nas relações, é uma forma de se promover saúde mental.

Abaixo, também colocaremos alguns valores que possam ser cultivados em diversos contextos do jovem, em que é possível buscar por saúde mental. Lembrando que falaremos aqui dos valores, e não dos motivos de adoecimento!

Saúde mental na escola/ universidade

Apesar dos diversos conflitos na escola, nada é 100% ruim, assim como o ambiente escolar. Identifique o que de fato lhe incomoda nesse ambiente escolar e se questione: o que eu posso fazer para mudar o resultado final, que tem me desagradado?

Pergunte para seu grupo de amigos se o motivo de seu sofrimento é comum a todos. Se não for, como seus amigos fizeram pra superar a situação? E ainda, se o sofrimento for comum, o que vocês podem fazer juntos para enfrentar a adversidade?

Como já dito anteriormente, nem sempre o mundo é justo, então você poderá passar por situações que não concorde, como por exemplo, uma apresentação de grupo. Não há o que ser feito, mas pode ser combinado entre seu grupo ou com professores, para que você apresente uma parte menor, e faça mais na parte teórica.

Pegando este exemplo como recorte, saiba que ainda sim é possível treinar a habilidade de apresentação, como discutimos no ultimo artigo sobre como criar novos hábitos.Com disciplina, uma apresentação pode muito bem ser superada com prática e objetivos a se alcançar!

Saúde mental nos relacionamentos

Somente amar não basta, é necessário respeito entre as partes. Muito se romantiza sofrimento, sacrifício, quando na verdade, o amor pode muito bem ser leve e benéfico para ambas as partes. As vezes o sofrimento é tão recorrente, que a pessoa nem sabe que está em um relacionamento abusivo.

Inclusive, vale uma reflexão. A paixão, que seria aquela “química” possivelmente em algum momento irá passar. E em um curto período, uma vez que a paixão é relacionada a nossa fantasia de se ter alguém, que você imagina ser quase perfeito. Sabendo disso, o principal de um relacionamento é alguém que lhe respeite.

Alguém que respeite o seu espaço, o seu mau dia, assim como que respeite também o seu direito de ser feliz. Seja com ele ou não! Se você precisa de alguém para a amar, saiba que essa pessoa já existe, é você próprio! Se ame e se respeite, dessa maneira, ninguém mais será capaz de sobressair as vontades dela em relação aos seus direitos!

Também deixamos como sugestão, uma teoria formulada por um psicólogo cognitivista sobre o amor. Esta é uma boa maneira para identificar se você está entrando em um bom relacionamento ou se o mesmo possa ser insuficientemente satisfatório.

A teoria triangular do amor, consiste em entender as nuances de amar, e para um amor pleno, é necessário cultivar as 3 extremidades do triângulo. A soma de apenas dois dos eixos, ou a existência de apenas uma das características, apresenta que talvez você esteja confundindo o amor que você deseja, com o amor que de fato tem em mãos.
A teoria triangular do amor, consiste em entender as nuances de amar, e para um amor pleno, é necessário cultivar as 3 extremidades do triângulo. A soma de apenas dois dos eixos, ou a existência de apenas uma das características, apresenta que talvez você esteja confundindo o amor que você deseja, com o amor que de fato tem em mãos.

Saúde mental com a família

Sabemos que não existe a família perfeita, como as propagandas de margarina tentam representar. Quase sempre existe um conflito, uma palavra mal dita, atravessada, que culmina em uma “guerra fria” entre os familiares ou até mesmo guerra explícita.

Muito desses conflitos, ocorre até por divergência política. Um perfil bastante comum são a dos jovens ter uma postura mais progressista, enquanto os familiares mais conservadores, e nessa, se perde o ponto do debate e vão para os insultos.

Para pra pensar, que mesmo com as divergências, você não deseja o mal para seus pais, e nem eles o seu. De alguma forma, ambos estão querendo proteger um ao outro, querendo apresentar a visão de mundo que cada um cultiva. O problema não está na percepção de mundo diferente, e sim na arrogância de se querer ter a razão sobre algo.

No fundo, pode-se criar uma briga, defendendo ambos os lados que são utópicos, e que seus representantes ambos não ligam para quem os defende. O adoecimento mental busca exatamente isso, distanciamento, conflitos mal resolvidos, e que você crie “ídolos” que você não conheça, perdendo assim, o tato com a realidade.

Além disso, vale a reflexão sobre outro fator. Se a divergência política for o suficiente para tornar a presença de um familiar insuportável, então o problema não está na política, o problema, já está consolidado a mais tempo.

E mesmo com todas as dificuldades, seja grato ao que você tem

Não vamos nos ater ao clichê de “gratidão”. Não precisamos ser grato a tudo, afinal, nem tudo faz sentido para nós. Mas você ao menos já parou pra pensar em pelo menos uma coisa boa que acontece de bom no seu dia, todos os dias?

Temos um hábito de enxergar sempre o aspecto pessimista da questão. Talvez sejamos capazes de identificar 5 passagens ruins no dia, enquanto o que ocorreu de bom, não conseguimos.

É comprovado que, ser grato, e expressar sua gratidão e fazer disso um hábito, torna o seu corpo mais propenso a liberar mais serotonina e dopamina, neurotransmissores responsáveis pela nossa satisfação e alegria.

E você, é capaz de encontrar pelo menos uma coisa boa por dia em cada um dos ambientes que te citei? Você irá observar que quanto mais fizer, mais capaz você estará de reconhecer outras pequenas felicidades em seu dia-a-dia.

A missão da Pajé enquanto agentes da promoção à saúde

Por estes argumentos citados durante o texto, somos totalmente favorável ao janeiro branco, que se apresenta com um caráter de campanha de promoção, impulsionamento, criação e principalmente, de esperança.

Sendo o principal valor da Pajé, gerar saúde mental a estudantes que não tem condição de arcar com altos custos de sessão, inclusive, com dicas que damos em nosso blog sobre como lidar com certos conflitos, fazemos da luta do janeiro branco, uma luta nossa! #vemprasaudemental

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *